quinta-feira, 2 de julho de 2020

LORD KITCHENER E O NAUFRÁGIO DO HMS HAMPSHIRE



Olá amigos do Blog. Estava em Stromness, pequena vila de pedra às margens de Scapa Flow, Ilhas Orkney. Havia mergulhado e explorado os naufrágios de 3 encouraçados e 4 cruzadores alemães, no fundo da baía desde 1919. Mas Scapa tinha muita mais História.

A primeira foto desse artigo é a do marechal de campo Horatio Herbert Kitchener, imagem que todos reconhecemos através de um expressivo cartaz de recrutamento. Conhecido como lorde Kitchener, era um herói nacional, de enorme prestígio naquele início de século XX na Inglaterra. Combatera no Sudão e também na Guerra dos Boeres. Em 1914 tornou-se Secretário de Estado da Guerra.
No dia 05 Jun 16, Kitchener partiu de Scapa Flow a bordo do cruzador HMS Hampshire, embarcação com 144 m de comprimento e deslocando cerca de 11.000 t. Era uma missão secreta e ele iria se encontrar com o Czar Nicolau da Rússia em Arkangel, uma jornada de 1.649 milhas (3.053 km). Todavia, no caminho, ao norte das Ilhas Orkney, o HMS Hampshire topou com um campo de minas lançado pelo U 75, submarino alemão que estivera ali em operação de minagem no final de maio de 1916. Ao que parece, o U Boat lançou 22 minas e uma delas foi explodir na proa do cruzador. A maioria da tripulação se encontrava abaixo do convés e as escotilhas, devido ao mar encapelado, se encontravam fechadas. As luzes se apagaram e sem eletricidade não foi possível emitir nenhum sinal de socorro. Somente 14 tripulantes conseguiram alcançar a costa em extremis, nos rochedos de Marwick Head, 653 morreram. Lord Kitchener foi visto pela última vez, de pé, no convés.
Atualmente o HMS Hampshire dormita emborcado em fundo arenoso, perto de 60 m de profundidade e cerca de 1,5 milhas marítimas (2,77 km) da costa. O navio hoje é considerado uma sepultura de guerra. Mesmo assim mergulhadores já andaram por lá e um dos seus hélices foi resgatado em 1985.
Bem no topo de Marwick Head, com recursos da população das Ilhas Orkney, foi construído uma torre em 1926, um memorial para o velho lorde. Dizem que esta ponta rochosa foi a última imagem que Kitchener levou desta vida, daí a escolha do local.

Consegui um guia com carro para me levar lá. Negociamos no porto. O esperto queria 100 libras mas paguei menos. O carro não conseguiu subir a colina. Então fui a pé. Havia um chuvisqueiro gelado e um vento agudo que zunia nas arestas da torre. Um clima de filme de terror. E ainda existia o perigo de uma queda no penhasco que levava à praia, curta e rochosa. Um local muito triste, sinistro. Que história. 
Esta jornada completa está no livro De Truk a Narvik, atualmente esgotado.






Lord Kitchener em cartaz de recrutamento




Fotografia em exposição no Centro de Visitantes de Scapa Flow



O cruzador HMS Hampshire em um porto pouco antes de suspender

Stromness, uma graciosa vila de pedra

Tipos de submarinos lançadores de minas

A torre no topo de Marwick Head. Local muito triste

Marinheiros alemães com uma mina de ancoragem

Placa de pedra em um dos lados da torre

O cruzador emborcado a 60 m sobre fundo arenoso

O enorme hélice de bronze do HMS Hampshire resgatado em 1985

Placa junto ao hélice

Rochedos de Marwick Head. Dizem que foi a última imagem vista com vida por Kitchener

cavaleirodasprofundezas@gmail.com

Nestor Antunes de Magalhães é 2º Ten R/1 do Exército Brasileiro, tendo servido os nove últimos anos de sua vida profissional no Museu do Comando Militar do Sul, Porto Alegre. É membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil (FAHIMTB), mergulhador CMAS** com quatro especializações, Submarinista Honorário da Marinha do Brasil e recebeu a Medalha do Mérito Tamandaré. Mergulhou em inúmeros naufrágios por toda costa brasileira, destacando, entre outros, a participação em uma expedição exploratória no Parcel de Manuel Luís, Maranhão. Também mergulhou em naufrágios de Truk Lagoon, Hawaii, Golfo de Suez, Golfo de Aqaba, Estreito de Tiran, Estreito de Gubal e Mar Vermelho.

0 comentários:

Postar um comentário