sexta-feira, 19 de julho de 2019

O NAUFRÁGIO DO AKITSUSHIMA


Olá amigos do Blog. Um dos mergulhos mais emocionantes nas Filipinas é o naufrágio do Akitsushima, um navio realmente ímpar. Era o que se chamava nas marinhas de seaplane tender, uma embarcação de apoio, transporte e manutenção de hidroaviões. E os japoneses são típicos nestas coisas. O Akitsushima media de proa a popa cerca 115 m e tinha o deslocamento de quase 5.000 t. O que o tornava especial era uma área no convés de popa e um guindaste com capacidade de 35 toneladas destinados ao abrigo e operações de um enorme barco voador Kawanishi H8K Emily. Com mar calmo, o guindaste suspendia o quadrimotor colocando-o na água. Dali o avião decolava, realizava a sua missão de reconhecimento, salvamento ou ataque, retornava, amerissava e o guindaste resgatava o Emily colocando-o no seu espaço. O navio fornecia combustível, munição e manutenção para o avião e também alojamento para a tripulação. Isto aumentava muito o raio de ação do Emily na imensidão do Pacífico. O navio foi comissionado em 29 Abr 42 e em setembro deste mesmo ano, nas Shortlands, ao largo de Buka Island, foi acuado por algumas Fortalezas Voadoras. Bombardeado, por sorte, recebeu apenas avarias leves. Esteve presente em Truk Lagoon quando da Operação Granizo em 17 Fev 44 onde foi atingido por duas bombas de 250 kg. Só não afundou devido a sua robusta estrutura. Algum tempo depois, reparado, lançou ferros em Coron, Filipinas, onde foi novamente atacado, agora por bombardeiros Helldiver da US Navy em 24 Set 44. Ao que parece, uma bomba  atingiu o reservatório de gasolina de aviação na popa. Houve uma violenta explosão que quase cortou o tender e provocou o seu rápido naufrágio. O  Akitsushima é o único navio de guerra japonês afundado nas profundezas de Coron Bay. O barco voador Emily desapareceu.

O Akitsushima com o seu padrão de camuflagem próprio, o guindaste e o aerobote Emily




O enorme avião era suspenso pelo guindaste com capacidade para 35 t




Na base do guindaste um canhão antiaéreo Tipo 96 de 25 mm

O canhão AAe de 25 mm em montagem tripla foi muito comum na Guerra no Pacífico

A estrutura treliçada do guindaste tombada a bombordo sob o fundo de areia a 36 m

O navio esta deitado sobre seu costado de bombordo em um fundo de areia

Restos dos cabos do guindaste

A enorme polia que ficava na extremidade do guindaste (veja o croqui do naufrágio)


Sobre o convés diversos objetos não identificados

Junção do costado de boreste com o convés. A proa do Akitsushima aponta para 290º

Escotilha no costado de boreste

Pedaços de espias ainda enroladas

Espaço do imenso hélice na popa, rapinado há 40 anos. À direita o leme

Junto ao convés. A visibilidade não estava boa e havia uma corrente moderada

Croqui no naufrágio. Observem a polia na ponta do guindaste



Modelo em escala 1/700 para montar e pintar



Com o sapato de um marinheiro japonês esquecido na pressa em 1944

cavaleirodasprofundezas@gmail.com

Nestor Antunes de Magalhães é 2º Ten R/1 do Exército Brasileiro, tendo servido os nove últimos anos de sua vida profissional no Museu do Comando Militar do Sul, Porto Alegre. É membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil (FAHIMTB), mergulhador CMAS** com quatro especializações, Submarinista Honorário da Marinha do Brasil e recebeu a Medalha do Mérito Tamandaré. Mergulhou em inúmeros naufrágios por toda costa brasileira, destacando, entre outros, a participação em uma expedição exploratória no Parcel de Manuel Luís, Maranhão. Também mergulhou em naufrágios de Truk Lagoon, Hawaii, Golfo de Suez, Golfo de Aqaba, Estreito de Tiran, Estreito de Gubal e Mar Vermelho.

0 comentários:

Postar um comentário