sexta-feira, 14 de junho de 2019

HMS VICTORY

Olá amigos do Blog. Em Portsmouth Historic Dockyard, sul da Inglaterra, está em exposição permanente o HMS Victory, navio capitânia da frota do almirante Horatio Nelson que derrotou os franceses e espanhóis na batalha naval do Cabo Trafalgar. Uma magnífica embarcação de guerra, dotada de uma generosa beleza clássica, típica de um grande veleiro do século XVIII. Ele agora é um interessante museu estacionado em doca seca. O seu lançamento ocorreu em 1765 e, dizem, na sua construção, foram utilizadas cerca de 6.000 árvores, a maioria o resistente carvalho. Tinha 3.500 t de deslocamento, com 72 m de proa a popa e 15 m de boca. O mastro principal, do topo a linha dágua, media 66 m e o navio podia aparelhar um máximo de 37 velas, totalizando 5.468 m² de pano. Para termos uma ideia comparativa, o meu velho e elegante Snipe tem uma área vélica de 10,7 m². O armamento do Victory era esmagador para a época: 104 canhões distribuídos em 3 cobertas. Nelson foi ferido mortalmente no convés do navio durante a batalha. O seu vistoso uniforme e insígnias, chamaram a atenção de um atirador inimigo tocaiado no alto de um mastro. O local onde tombou o almirante é demarcado com uma placa de modestas dimensões que passa desapercebida para aqueles que não conhecem.. Que história. Vamos conferir as fotos?



















cavaleirodasprofundezas@gmail.com

Nestor Antunes de Magalhães é 2º Ten R/1 do Exército Brasileiro, tendo servido os nove últimos anos de sua vida profissional no Museu do Comando Militar do Sul, Porto Alegre. É membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil (FAHIMTB), mergulhador CMAS** com quatro especializações, Submarinista Honorário da Marinha do Brasil e recebeu a Medalha do Mérito Tamandaré. Mergulhou em inúmeros naufrágios por toda costa brasileira, destacando, entre outros, a participação em uma expedição exploratória no Parcel de Manuel Luís, Maranhão. Também mergulhou em naufrágios de Truk Lagoon, Hawaii, Golfo de Suez, Golfo de Aqaba, Estreito de Tiran, Estreito de Gubal e Mar Vermelho.

0 comentários:

Postar um comentário