domingo, 28 de janeiro de 2018

MUSEU DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

Esse expressivo museu está sediado em Budapeste, Hungria, nas proximidades da margem do rio Danúbio. A entrada é paga e o acervo, bastante interessante, reúne desde armas e equipamentos, à figuras humanas em resina de acurada perfeição. Em uma das salas, juntos, estão um cavalo, um cão, um pombo e um passarinho, animais empregados em proveito dos soldados durante as operações de guerra. Para o visitante, é óbvio a utilidade dos três primeiras, mas parece estranho a presença do frágil pássaro no grupo. Acontece que o passarinho era muito importante na trincheira. Caso fosse encontrado morto no fundo da gaiola, era o indício de gás na região ainda não detectado pelos combatentes. Alarme dado, havia tempo de colocar a máscara contra gases.





























quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

TORRES DE FLAK EM VIENA

Conhecidas como Flaktürme, eram instalações fortificadas para a artilharia antiaérea construídas pelos alemães durante a Segunda Guerra Mundial, sendo que as principais, estavam localizadas em Berlim, Hamburgo e Viena. Duas delas, as Tipo G e L Flaktürme VII, se encontram ainda de pé nas proximidades do parque público Augarten, Viena.
São torres dotadas de uma estrutura de concreto extremamente robusta e que se elevam a mais de 50 m do solo, No topo, estavam instalados diversos canhões antiaéreos, como os de 20 mm em montagem quádrupla, os de 37 mm e os de 128 mm. Assim, os artilheiros da Luftwaffe podiam contar com um excelente campo de tiro com 360°, desimpedido de obstáculos e com armas capazes de lançar no espaço, de zero a 14.000 m, milhares de granadas explosivas por minuto. Isto era uma considerável ameaça para os bombardeiros americanos e britânicos. As torres dispunham de geradores, depósitos, instalações sanitárias, paióis, alojamentos, etc, e também proporcionavam abrigo para a população civil durante os ataques aéreos.



 

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

MUSEU DE HISTÓRIA MILITAR DE VIENA E O ATENTADO DE SARAJEVO

Este primoroso museu militar, conhecido como Heeresgeschichtliches Museum, é o mais importante das Forças Armadas Austríacas. Com certeza, a peça mais valiosa do seu acervo é o automóvel Gräf & Stift conversível, onde viajavam o arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do Império Austro-húngaro e sua esposa Sofia, duquesa de Hohenberg. Ambos foram assassinados em Sarajevo, Sérvia, no dia 28 de junho de 1914 pelo jovem Gavrilo Princip. Para tal ato, ele utilizou uma pistola Browning FN M1910 de calibre .380, uma bala um tanto anêmica para um atentado de tal envergadura. Mesmo assim, Gavrilo disparou a não mais de 5 m, atingindo o arquiduque no pescoço e a duquesa no ventre, matando ambos em alguns minutos. O curioso é que há um furo de entrada de projétil na direita da lataria do carro, identificado como o tiro que matou Sofia. Realmente, se for real, seria uma trajetória  muito estranha para a bala .380.
Em exposição, também no mesmo local, estão a farda ensanguentada de Francisco Fernando, os sapatos e três pistolas Browning FN, armas utilizadas pelo grupo de terroristas. Uma delas tem o número 19074 e é identificada como a arma de Gavrilo.
Todos os conspiradores, membros de uma  organização nacionalista sérvia conhecida como Mão Negra,  foram presos e julgados. Alguns enforcados e Gavrilo recebeu a pena de 20 anos de prisão mas morreu tuberculoso algum tempo depois.Este atentado é considerado por muitos historiadores, como o fato que acendeu o estopim da Primeira Guerra Mundial, conflito que irá matar milhões de pessoas de 1914 a 1918. Que história!