sábado, 22 de abril de 2017

UM ZERO EMBORCADO

Estive recentemente realizando uma série de mergulhos nos naufrágios da II Guerra Mundial em Rabaul, Papua-Nova Guiné. Rabaul foi uma antiga base japonesa logística e operacional com um excelente porto natural, Simpson Harbour que nada mais é do que uma caldeira vulcânica alagada. Foi no centro desta caldeira, a 19 m de profundidade e com água a 30° C, que encontrei um caça Zero emborcado. A visibilidade não estava muito boa, no máximo 7 m. O caça tinha o cockpit, o cubo da hélice e uma ponta das asas enterrada na areia. O flap direito permanecia aberto a 45°. Ambos os canhões de 20 mm haviam desaparecido das asas. Era possível também observar o gancho de engate de porta-aviões e a roda da bequilha, ambos ainda nos seus alojamentos bem como o estribo onde o piloto colocava o pé para subir a bordo. O avião estava com as rodas recolhidas. Possivelmente os restos do piloto ainda estavam a bordo, transformando o Zero em uma sepultura submarina. Confiram as fotos.


O estribo do piloto

Flap a 45 graus

Gancho de porta-aviões recolhido no seu lugar

A roda da bequilha

O tecido do aileron foi consumido pelo tempo submerso

Roda esquerda e entrada de ar sob a capota do motor
Ponta da asa esquerda

Trem de aterrissagem e entrada de ar do motor por outro ângulo