sábado, 7 de janeiro de 2017

O CRUZADOR PESADO BLÜCHER E A FORTALEZA DE OSCARSBORG

Retornei há pouco da Noruega, uma viagem fantástica. Lá, tive a feliz oportunidade de visitar a fortaleza de Oscarsborg, conhecer a sua empolgante história e reconstituir boa parte da Batalha do Estreito de Drobak. Fato que ocorreu na madrugada do dia 09 Abr 40, no desenrolar da Operação Weserübung, a invasão da Dinamarca e Noruega pela Alemanha. Naquela data, o cruzador pesado Blücher, belo navio da classe Hipper, com mais de 200 m de comprimento e deslocando perto de 18.000 t, liderou uma flotilha cuja missão era tomar de assalto o porto de Oslo e, entre outras, capturar o Rei da Noruega. Acontece que no caminho, estava a secular fortaleza de Oscarsborg com três canhões de 280 mm, chamados de Joshua, Moses e Aron, e ainda uma bateria de velhuscos torpedos Whitehead Mod V, dispostos em três lançadores duplos alojados em um abrigo escavado na rocha, tangenciando a linha da água. O Blücher foi inicialmente atingido por duas formidáveis granadas de 280 mm, semi-perfurante-explosivas que vararam a blindagem e detonaram nas suas entranhas, danificando gravemente o navio. Mesmo assim prosseguiu à frente, aumentando a velocidade, quando foi novamente atingido, no costado de bombordo, agora por dois torpedos lançados da fortaleza. Alguma distância adiante, o navio moribundo emborcou, afundando de proa em um rebojo de espuma, óleo e destroços.
Mesmo com as margens do fiorde e de ilhas, próximas, ocorreu sensível perda de vidas entre marinheiros e soldados devido a baixa temperatura da água do mar. Este acontecimento permitiu que o Rei, a família real e o Parlamento, tivessem tempo para fugir da capital. A ironia de tudo foi que a guarnição de artilheiros era constituída por recrutas com pouco mais de dez dias de instrução, os canhões eram de fabricação Krupp e o comandante da fortaleza um velho coronel chamado Birger Eriksen. O naufrágio do Blücher se encontra atualmente a quase 90 m de profundidade e assim como o USS Arizona, continua liberando óleo combustível na água do fiorde. No dia seguinte a batalha, a Luftwaffe bombardeou duro a fortaleza e os alemães ocuparam o local. Mesmo assim o que aconteceu foi surpreendente.
Aron, um dos três Krupp 280mm da fortaleza

Na boca do Moses

Uma formidável culatra

Parte posterior do poderoso Joshua

Interior da bateria de torpedos

No museu da fortaleza: modelo do Blücher em escala e o coronel Birger Eriksen
Posição no fiorde por onde o cruzador aproximou-se da fortaleza.

Uma das âncoras do cruzador no porto de Oslo
Porta externa da bateria de torpedos
Vista área da Fortaleza de Oscarsborg
Detalhe na haste da âncora